Museus virtuais que apoiam diversidade e temas sociais

Ficar muito em casa também pode ser sinônimo de aprendizado. Graças à tecnologia, podemos realizar visitas virtuais e gratuitas a diversos museus virtuais que apoiam a diversidade social. São tours online em 360 graus, nos quais visualizamos as obras em alta resolução e conhecemos os interiores de cada sala.

Selecionamos aqui quatro museus que refletem sobre nossa cultura ou colocam como personagens principais tipos sociais marginalizados em nossa sociedade, mostrando sua história e contribuições ao país.

São eles:

Museu Afro-Brasil

Museu Casa Portinari

Museu Índia Vanuíre

Museu da Pessoa

Aproveite e chame quem mora com você para compartilhar as descobertas deste passeio virtual.

Museu Afro-Brasil

O Museu Afro Brasil fica no Pavilhão Padre Manoel da Nóbrega, dentro do Parque do Ibirapuera. Em 11 mil metros quadrados, você consegue conhecer parte do acervo de 6 mil obras sobre diversos aspectos do universo cultural africano e da importância do afro-brasileiro na construção de nossa sociedade.

Pinturas, esculturas, gravuras, fotografias, documentos e peças etnológicas, de autores brasileiros e estrangeiros, foram produzidos entre o século XVIII e os dias de hoje.

No tour virtual, é possivel visitar 3 andares do museu em 360°, além de ler os painéis explicativos de obras de diversas exposições.

museu-virtual-afro-brasil-sp
museu-afro-brasil-sp-tour-virtual-painel

Museu Casa Portinari

Cândido Portinari é um dos maiores pintores brasileiros de todos os tempos. E sua temática tinha grande foco social. As festas populares, as favelas, as condições dos trabalhadores rurais, principalmente nas fazendas de café, estão em suas obras de maior destaque.

Viveu no Rio de Janeiro, mas nasceu em Brodowski, no interior de São Paulo, onde passou sua infância e costumava voltar para períodos de descanso. Sua casa hoje virou centro cultural, que mostra sua arte e história. Na visita virtual do Museu Cândido Portinari, o usuário pode conhecer as principais salas da casa e obras expostas, como desenhos, pinturas e afrescos.

museu-casa-portinari-tour-virtual

Museu Índia Vanuíre

Conhecer a cultura e história das diferentes comunidades indígenas brasileiras é um dos focos deste museu, que também mostra a história da aldeia indígena Vanuíre, que vivia na região de Tupã (SP), onde o India Vanuíre está localizado. O acervo consta de 38 mil peças, com vestimentas, trançados, tecidos e muito deste acervo pode ser conferido na visita virtual do Museu Índia Vanuíre.

tour-virtual-museu-índia-vanuíre

Museu da Pessoa

“Todo o ser humano importa” é o lema do Museu da Pessoa, que conta histórias de pessoas comuns, conectando-as por meio de suas experiências e sentimentos. Nele, você pode aprender, por exemplo, como algumas pessoas vivenciaram sua infância, registros dos seus relacionamentos maternos; costumes, como o uso das bicicletas pelos seres-humanos ao longo da história, a vivência do esporte, a história da cidade de São Paulo, da ditadura militar no Brasil entre outros. O museu também valoriza a inovação, o empreendedorismo, a colaboração e a democratização da memória, a diversidade. Fica na Vila Madalena, mas o acervo de imagens e textos está disponível para qualquer um via internet.

O Trampolim Startup Café é um espaço de coworking, cafeteria e restaurante que apoia a diversidade, a cultura e o empreendedorismo social.

Rua da Consolação: história e curiosidades

A rua da Consolação é uma das mais antigas vias de São Paulo. Sua história começou ainda no século 16, quando era apenas uma estrada de terra que unia o que hoje é o bairro de Pinheiros ao centro da cidade. Hoje reúne, escritórios, lugares imperdíveis para se divertir , alguns dos coworkings paulistanos e espaços de eventos.

Aqui, vamos contar cinco curiosidades sobre ela, a casa do nosso Trampolim Startup Café.

Antes de tudo: caminho de Pinheiros

Em meados do século 16, a Consolação era conhecida por Caminho de Pinheiros. O atual bairro de Pinheiros (já com esta denominação) reunia algumas chácaras produtoras de hortaliças. A estrada de terra começava onde hoje está a rua Direita, no Centro, cortava o Anhangabaú e subia no sentido de Pinheiros. Dali prosseguia na chamada Estrada de Sorocaba, um caminho de tropeiros que ligava São Paulo ao Rio Grande do Sul.

A origem: a Capela de Nossa Senhora da Consolação

A Consolação virou Consolação com a construção da Capela de Nossa Senhora da Consolação, em 1799. Consta que a imagem da santa, colocada no altar simples, foi encontrada perdida na estrada. Acredita-se que algum padre agostiniano (a ordem clerical difunde a devoção à santa), após rezar uma missa no caminho, a tenha deixado no lugar. O fato é que capelinha virou referência e a estrada passou a ser assim chamada.

A igreja da Consolação

A antiga capela foi demolida no início do século XX para dar lugar à atual Igreja da Consolação. O bairro já era outro, influenciado pelos barões do café, que dominavam uma cidade próspera. A pedra inicial foi lançada em 1909, com projeto do arquiteto Maximilian Emil Hehl, alemão radicado no Brasil que também é autor da Catedral da Sé. Ficou pronta em 1959. Tem estilo neorromânico, em voga na época, e em seu interior obras de Oscar Pereira da Silva e Benedito Calixto.

Velódromo, estádio e rua Nestor Pestana

Na Consolação funcionou um velódromo, que reunia a elite paulistana. Na época, o ciclismo era um esporte da moda na Europa. Foi Antonio Prado Jr., neto de d. Veridiana Prado, quem teve a ideia de trazê-lo para São Paulo. O terreno ficava entre o que é hoje as ruas Martinho Prado e Olinda. Ali, foi construída uma raia de 380 m de comprimento, com arquibancadas cobertas. Foi inaugurado em 1896, mas funcionou por poucos anos. Logo tornou-se estádio de futebol, recebendo as partidas do recém-criado Campeonato Paulista. Foi estádio até 1915, quando desapropriaram a área para a abertura da rua Nestor Pestana.

Dona Veridiana

A história da rua da Consolação está intrinsecamente ligada à vida de uma mulher: Veridiana da Silva Prado. Dona Veridiana, como sempre foi conhecida, era uma aristocrata, filha de um barão de café que também plantava cana-de-açúcar. Casou-se aos 13 anos com um tio, meio-irmão de seu pai, obrigada por um arranjo familiar para manter os bens da família, prática comum entre a burguesia paulistana do século 19. Teve seis filhos e os criou na chácara que mantinha com o marido e que tomava boa parte do que hoje é a rua da Consolação. Culta e inteligente, chocou a sociedade ao se divorciar aos 53 anos e tomar a frente dos negócios da família, multiplicando a fortuna e tornando-se um dos nomes mais influentes da sociedade paulistana do início do século 20. Está enterrada no cemitério da Consolação.