Como tirar um café de coador perfeito em casa

Café de coador é sempre bom. E é possível sim extrair uma excelente bebida em casa, quentinha e fresquinha, como se fosse em uma cafeteria. Basta seguir algumas recomendações de nossa equipe. Vamos a elas?

Grão

De preferência opte por um pacote de café com grão do tipo arábica. Você pode usar um café com grão robusta, claro. Porém, há um número menor de marcas de qualidade e é mais difícil de encontrar nos mercados. Na média, o grão arábica contém menos imperfeições, segundo especialistas.

Medida

Entre 5 e 6 colheres de sopa para cada litro é uma boa quantidade. Mas, se quiser, mais forte ou mais fraco, dependendo do gosto, está liberado para aumentar um diminuir um pouquinho.

Água filtrada

Se a água for filtrada ou mineral, terá menos bactérias e impurezas, que podem mudar o sabor do seu café.

Esquente a cafeteira ou bule com água quente:

Isso fará com que a temperatura caia mais devagar depois que fechar a garrafa com o café dentro. Se for colocar em um bule, esquente-o antes com água e depois o esvazie ele para receber o café.

Temperatura da água para o café

O ideal é que a água esteja entre 92°C e 96°C. Para isso, deixe o líquido atingir o ponto de ebulição (100°C), pare o aquecimento, e a utilize primeiro para escaldar o filtro e porta filtro, preparando o café na sequência.

Despejando de forma correta

Primeiramente vá jogando devagarinho para umedecer apenas o pó. Isso fará o café ficar menos amargo. Depois, despeje normalmente. Nunca misture o pó com a colher para “coar mais rápido”. Isso vai prejudicar os sabores de seu café no final.

Para saber mais conteúdos sobre café, empreendedorismo, coworking e gastronomia ou dicas sobre o nosso bairro da consolação em São Paulo, visite o nosso blog.

A história do cappuccino

Três partes iguais de café expresso, leite e leite vaporizado. Em alguns casos, como o aqui servido no Trampolim, ele recebe um toque extra de canela ou chocolate para finalizar. Mas você sabe quem criou a receita e a história do cappuccino?

A versão histórica mais aceita

Sua origem remonta o século 17, atribuída ao monge italiano Marco D’Viano, que teve importante papel na resistência cristã contra o avanço islâmico na Europa.

Em 1683, a cidade de Viena estava para cair nas mãos do exército dos turcos muçulmanos porque os comandantes dos exércitos cristãos não se entendiam e dispersavam-se em discussões inúteis e perigosas. Foi então que o papa Inocêncio XI decidiu enviar o italiano Marco na desesperada tentativa de uni-los para combater o inimigo comum.

A sua intervenção foi tão eficaz que os turcos foram expulsos, Viena foi salva e a paz voltou à Europa. Conta-se que os turcos tiveram que deixar em Viena várias sacas de café. O que fazer com ela?

Primeiro, o religioso italiano fez a própria bebida, mas sentindo o seu gosto amargo, resolveu acrescentar leite e mel. A coloração de tons marrons obtida na mistura lembrava a cor do capuz dos monges italianos, os cappa (capuz em Latin). Os monges capuchinhos eram chamados de “Cappuccini” em italiano. Daí a origem do nome.

Uma segunda origem

Esta é versão mais aceita e publicada. No entanto há outras duas variantes para a origem da bebida, segundo especialistas da própria Itália.

A primeira defende que, no ano de abertura do primeiro café na capital austríaca, o frade italiano chegou à corte do imperador Leopoldo I com o típico chapéu marrom claro. E os austríacos teriam feito esta associação à cor da bebida.

A terceira explicação para o nome

Por fim, uma terceira versão diz que o nome do cappuccino deriva simplesmente do efeito do leite branco com o marrom do café ao seu redor.

Na Itália, o cappuccino é servido geralmente no café da manhã. Aqui no Brasil foi incorporado o hábito de acrescentar canela e chocolate à bebida, porém, ambos ingredientes não fazem parte da receita original.

Aqui no Trampolim o cappuccino pode acompanhar nossos bolos, sanduíches e pães. Ele também sempre aparece como benefício em nosso clube de vantagens para os clientes.